sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Momento poesia XXXV


Será que um dia houve*

... o amor mais perfeito
com a entrega mais total
que inspirou o poema
mais puro e imortal?

... a amizade mais sincera
que desconheceu barreiras
venceu todos os obstáculos
e ultrapassou fronteiras?

... a paixão mais ardente
entre almas um enlace
que traziam em seu peito
o que escondiam em sua face?

... a lágrima mais verdadeira
que timidamente surgia
no olhar mais imaculado
que em silêncio sofria?

... o homem mais louco
ou o louco mais são
que na verdade não era louco
mas uma vítima do coração?

... a mais forte dor
que destruiu toda a calma
porque não era no corpo
era no íntimo, na alma?

... a solidão mais vazia
a que mais fez chorar
pois não era da pedra do amor
e sim do medo de amar?

... a saudade mais sentida
que alimentou mais esperanças
pois na mente voejavam
as mais felizes lembranças?

... a lua mais platinada
com a noite como véu
que reinava soberana
na imensidão do céu?

... a mente mais sã
que não conheceu ilusão
pois foi sempre limitada
pelas grades da razão?

... a vida mais heróica
que mudou muitas sortes
mas que como todas as outras
não pode fugir da morte?

Será que um dia houve
algo para se dizer
àqueles que perdem tempo
tentando apenas entender?

(Marília Martinez Faccioli)


H (será?)


* poema retirado da "Antologia poética", livro produzido pela Biblioteca Pública Municipal "Profa. Carolina de Moura Hildebrand" em 1999.

2 comentários:

Rakky Curvelo disse...

Só posso dizer que se qualquer dessas coisas realmente aconteceu, a vida foi vivida por algum louco habitante do universo. Belo poema. Me indica algo mais da Faccioli?

Marília disse...

Que surpresa encontrar meu poema aqui!! Escrevi aos 14 anos! Hoje estou com 25, e infelizmente parei de escrever! Obrigada H! Bjos, Marília