sábado, 15 de novembro de 2008

Momento poesia IV


Ainda um pouco inspirado no post anterior, e depois de explicar a história dos poemas autobiográficos que o Michel e eu escrevemos algum tempo atrás, comecei a vasculhar nas minhas tralhas os trabalhos incompletos ou aqueles que ele me deu. Encontrei algumas raridades que nem eu mesmo sabia que haviamos escrito. Vai ver por causa do efeito do álcool na época.. rsrs

Mas, também consegui encontrar o poema "As coisas da vida" que escrevemos juntos. Faziamos muito isso. Às vezes, eu chegava na casa dele e já ia falando ".. consegui escrever um verso legal, mas não acho uma rima para dar sentido..". Podia ser a hora que fosse, ele parava o que estava fazendo e procurava entender o que eu estava tentando transmitir naquele verso. Sinto falta disso tudo.. muita falta mesmo. Bom, mas nem tudo pode ser como queremos.

"Se tudo na vida seguisse uma lógica pessoal,
como uma trajetória lineat própria;

Se tudo fosse como gostaríamos,

a vida não teria graça:

seríamos gênios previsíveis,

como livros já relidos."


Bom, mas vamos ao que interessa. Segue o poema que entitulamos "As coisas da vida":

"Um palhaço descontente;
Um rabugento risonho;
Meu papel nesse mundo não conheço, mas, enfim, quem conhece o seu?!
Sou feliz pelo que sou e por tudo que fiz.

Arrependimento existe em toda a parte.
O meu é ter feito coisas demais por outras pessoas e nada por mim.
Defeitos todos temos; perfeito ninguém é...
sou teimoso, indefeso, romântico demais, um patético por completo,
mas, acima de tudo, sou feliz...

Feliz porque descobri (um pouco tarde é verdade) que me amo.
E sei que ninguém merece mais o meu afeto e atenção do que eu mesmo.
Decepções tive muitas... também já decepcionei algumas pessoas...
mas, se pudesse voltar atrás, teria dado mais valor a uma pessoa que ainda gosto muito...

Meu passado me condena; meu presente ajuda a apagar algumas falhas;
meu futuro, não me revela nada além da minha extinção.
Sei que o meu fim de história será como o de todos: triste.
Por isso aproveito para ser feliz agora...

Porque o final da história de cada um é a sua própria morte...
e isso são coisas da vida: nascer, crescer, ser feliz (ou não) e morrer... (enfim!)"


H (precisando de inspiração URGENTE!)

Um comentário:

Lucimeira disse...

Ser, ai ai ai....adorei apenas!!!
Cara, é que sei que não sou disciplinada, mas queria,quero muito fazer um blog (quem sabe amanhã kkkkkkk) acho que teria um post mais ou menos trágico (estou com os meus intestinos adoentados) cômico (tive que voltar para casa para usar o banheiro, num apertoooooo)kkkk
bobiças masters né em plena madrugada, nobody deserves rs
bjs
LHISS